Documentarios.org

Busca no site

Documentários Séries

Estamos com 3021 documentários em nosso acervo


Imprimir esta página

Documentários


Guerra em Miniatura

(Insect Wars)

47 min. / Dublado em Português

As civilizações carregam uma maldição, o impulso de transformar suas propriedades em impérios.

Os humanos não são os únicos a efetuarem conquistas. Muito antes de nós aprendermos a conquistar, os insetos sociais, formigas, abelhas, cupins e vespas, já construiam impérios com ferramentas de ataque, escravização e opressão.

Nós dominamos o planeta, mas nossas enormes façanhas tornam-se pequenas perante aquelas de legiões de guerreiros minúsculos.

Os conquistadores originais da Terra ainda reinam: os insetos.

Como obter este vídeo

Os Grandes impérios são construídos com violência.

- Nas savanas sul-africanas pequenos insetos vivem no terror. Os cupins são trabalhadores e vivem em suas galerias que construiram com terra e saliva. Eles precisam ficar vigilantes porque vivem no reino da formiga megaponera, predadoras poderosas com o dobro do tamanho deles. Um formiga batedora esta a procura de cupins e os localiza. Ela retorna ao ninho e convoca seu exército de formigas soldados. A guerra vai começar, mas antes vamos ver as armas das formigas: seu exoesqueleto, armas químicas e grandes mandíbulas. As formigas matam tudo o que encontrarem e puderem carregar. Um único ataque pode matar 4.000 cupins! O ataque foi devastador.

- Na floresta tropical panamenha, as formigas de correição marcham carregando as suas crias. Elas são nômades e tem patas muito fortes. Um formiga pode segurar 100 formigas com suas patas! Abaixo da massa existem 200.000 ovos para eclodir e a rainhas, que põem ovos aos milhões e forças as formigas a procurar sustento. As formigas formam uma massa impressionante de 1 metro de comprimento antes de se dividirem em colunas no início do dia. Cada coluna tem centenas de milhares de formigas. Elas matam tudo em seu caminho e esquartejam a presa para que o alimento seja mais facilmente transportado até as crias. Instintivamente elas formam pontes para atravessar buracos e rios. Em 1 semana uma colônia destas formigas mata e devora 250.000 mil criaturas.

Mas estas formigas também tem inimigos. Nos flancos da massa de formigas os inimigos capturam algumas. Curiosamente é a formiga louca, a anarquista da floresta, muito menor, que as predam. Elas liberam veneno paralisante em suas vítimas e assim conseguem vencê-las.

- No reino das abelhas melíferas a ordem é a lei. Elas parecem levar uma vida doce, colhendo pólen. Mas por detrás desta imagem existe a realidade. A colônia existe para sustentar a rainha, que põem os ovos. Mas todas as fêmeas tem o instinto de por ovos e se tornar rainha, mas a colônia deve ter somente uma rainha. Assim, existem as rainhas capatazes, que vistoreiam a colméia em busca de subversivos e desviados sociais, ou seja, uma fêmea revelde por um ovo. De acordo com os regulamentos, isto é o fim. Vamos ver o que acontece com uma abelha que põem um ovo e é localizada pela polícia das abelhas. Um ovo fora da lei é a semente da ruina da colméia. O ovo é destruído e a infratora, na frente da colméia é brutalizada e serve de exemplo para as outras verem o que acontece se infringirem as leis.

- O reinado das formigas burniégos precisa de escravos. A espécie é tão especializada que precisa de escravas para cuidar delas, porque tem uma mandíbula que só serve para a luta, de tão grandes. Os escravos são as formigas fórmicas. Quando eleas ficam velhas, são mortas pelos senhores, que vão em busca de novos escravos. Tudo começa com a batedora que encontra um ninho de formigas fórmicas e convoca todas as formigas para a luta. Elas vão causar o terror e roubar os filhotes de fórmica ainda por nascer. São saqueadoras que capturam de 500 a 900 pupas, que são levadas para seu reino. Quando ecloridem vão pensar que o ninho das burniégos são seu lar e assim vão se tornar escravas. Para as formigas fórmicas, o reino foi destruído, mas a rainha foi poupada da morte.

- O terror alado tem um nome: Mandarinia - a vespa gigante. Seu império se estende por todo o Japão e as larvas, famintas, raspam as paredes da célula em busca de comida. Este o sinal para a batedora sair em busca de carne fresca que alimentará as pupas. As abelhas melíferas são as vítimas, que são indefesas porque não são nativas do Japão e assim não evoluiram junto com as vespas gigantes. tudo o que elas sabem fazer é bloquear a entrada da colméia, onde vão lutar até a morte contra vespas 5 x maiores que elas. Apenas 1 ou 2 vespas morrem, contra milhares de abelhas. É aterorrizante. Em poucas horas, 20 ou 30 vespas podem devastar uma colméia de 30.000 mil abelhas. As abelhas que ainda não nasceram serão multiladas até ficarem uma pasta de proteínas que alimentará os filhotes das vespas.

As abelhas da espécie Apes Serrana sabem que as vespas mandam batedoras. Elas sabem que devem matar esta batedora e tem uma arma secreta. Quando notas a presença inimiga dentro da colônia, as abelhas soldados atraem a vespa para dentro da colméia. Quandoe a vespa menos esperam, as soldados vão para cima da vespa envolvendo-a. Elas não a ferroam, ao invés, vibram o abdomên criando uma onda de calor chega a 47ºC e durante 20 minutos fazem isto, matando a vespa batedora, que suporta somente 46ºC.

- Na terra dos cupins africanos a busca por riquezas nunca acaba. Dentro do cupinzeiro existe um labirinto de túneis que confude o invasor. Mas a batalha é travada nas vizinhanças. Os cupins que procuram comida descobrem uma formiga batedora e dá o sinais através de vibrações na terra, conseguida com batidas da sua cabeça. Esta vibração da o alarme para cupins soldados. A batalha tem início. As formigas saqueadoras tem um veneno que paralisa o sistema nervoso dos cupinz. Mas a batalha não terminou. Os cupinz estão se organizando no cupinzeiro para um último recurso. Fechar as entradas a qualquer custo. As formigas matabeli não avançam e nem recuam. Os soldados que lutam até a morte ganham um tempo precioso. Este tempo é usado para que os cupinz lacrem com terra e saliva a entrada do cupinzeiro e assim salvam seu lar.

- No reino das formigas Poliérgos, as rainhas novas tem que conquistas um território para sí. A rainha não tolera rivais. Assim, uma rainha novata tem que encontrar uma nova colêonia, se infiltrar, matar a rainha e se tornar soberana. Vamos acompanhar a jornada de uma rainha novata. Ela localiza um formigueiro de formigas fórmicas. Primeiro libera um feromônio que repele as formigas soldados. As serviçais da rainha tentam levar sua rainha para um local seguro, mas não da tempo. A rainha novata bebe o sangue da antiga rainha e após 20 minutos violentos, a rainha fórmica agoniza até a morte. A aspirante a rainha espalha seu feitiço químico que ilude as formigas de que ela é a rainha verdadeira e assim conquista um novo território.

Documentários Relacionados:

Guerra em Miniatura

Detalhes do Documentário

Duração: 47 min.
Idioma: Dublado em Português
Qualidade: Ótimo
Produzido:
Apresentador:
Visualizações: 8864
Código: 673

Horários na TV

Este documentário não é exibido atualmente na TV.

Como obeter este vídeo